Bowie, a biografia, Wendy Leigh


Bowie, a biografia, de Wendy Leigh publicado pelo selo Best Seller do Grupo Editorial Record, aqui no Brasil, se propõe a contar a vida de David Bowie, nascido David Jones até a sua inesperada morte em janeiro deste ano.

Estante2

É mais uma das inúmeras biografias do rock star britânico que revolucionou o mundo com o seu comportamento libertário e permissivo em uma época em que devemos nos lembrar, não só o movimento hippie era um fato como a própria liberdade sexual feminina se tornava uma pauta mundial, muito embora isso não apareça como fatores do mundo em que Bowie tenha experimentado, de acordo com essa biografia.

Aliás, antes de começar a falar especificamente dessa biografia, gostaria de fazer um comentário sobre essa coisa chamada narrativa de vida. Biografar é uma maneira de criar narrativas, estabelecer uma sequência causal entre fatos, encontros e ações e dizem muito respeito não apenas ao que acontece, seja por meio de declarações ou notícias da época, que em si mesmas já são considerações e perspectivas dos produzem essas coisas, mas também da memória (coisa muito fugaz) dos que são entrevistados e da própria interpretação do biógrafo.

E por que eu estou dizendo isso?

Porque essa biografia de David Bowie parece se concentrar muito, como escutei por aí de algumas pessoas que já a leram, nos aspectos sexuais do astro, e é claro que ela realmente o faz, mas isso ocorre porque a maioria das pessoas parecem se predispor a falar disso dos relacionamento que tiveram com o cantor.

A maioria dos relatos que vamos encontrando são justamente de como Bowie era charmoso, sensual, bem-dotado e bom de cama. Claro que a própria biógrafa tem um papel importante nisso, já que é ela quem vai costurando a história do artista, mas ainda assim não se pode negar que todas essas afirmações existiam em abundância.

O próprio Bowie sempre se utilizou das polêmicas em relação a sua orientação sexual e aos papéis de gênero que exercia, e acredito que eram muito mais por uma questão de se por em destaque mesmo do que por ser daquela forma. Ele era um ator que vestia a personagem transgressiva nesse aspecto.

Digo isso não pelo que Wendy Leigh quer nos mostrar, porque ela parece sempre reiterar que David era, de certa forma, um aproveitador dos melhores, um egoísta que parecia pensar somente em si e em como alcançar o estrelato.

O fato que me leva a crer isso é que Bowie vai deixando muito rapidamente com o passar dos anos a questão de transitar entre o masculino e o feminino, coisa que era muito presente em seu início de carreira.

Outro é que, embora ele tenha se afirmado bissexual, depois homossexual e voltado a ser bissexual e no fim dito ser heterossexual, ele sempre se envolveu amorosamente com mulheres. O homossexual aparece como uma espécie de outra forma de ter prazer para ele, que sempre pareceu ser bastante focado em seu desejo pelo sexo oposto. Muito diferente, por exemplo. do também britânico Freddy Mercury, que também praticava um certo libertarismo, mas que se envolveu amorosamente com alguns dos homens com os quais se deitava.

Era quase como se fosse um pequeno fetiche de David, o de ser adorado por todos. Outro me pareceu também ser as mulheres negras, que de acordo com o livro teria sido sempre a preferência do cantor.

A questão de cor também passa pela forma como as pessoas descrevem a beleza de David, sempre com uma pele tão branca, tão perfeitamente branca.

E assim eu vou percebendo uma construção de uma personagem que pode parecer extremamente revolucionária e libertária, mas que no fim não acaba me convencendo muito disso.

O que só me lembra da questão de que há sempre em torno dos artistas uma lenda criada que sempre vai se tornando mais polida e mais distante de uma visão totalmente crítica e acurada do seu comportamento.

Se essa minha interpretação é algo que foi direcionado pela narrativa construída por Wendy Leigh? Não tenho dúvidas de que sim, mesmo que ela não tenha tido essa intenção conscientemente, afinal, a partir das cores que ela me presenteou eu pintei a minha imagem de David Bowie e que não é tanto a dessa pessoa super libertária e isenta de um comportamento que não é livre de problemas, por mais avant garde que seja.

Mas isso são leituras que eu faço de David Bowie que me é apresentado, não da agradável leitura que é essa biografia escrita por Leigh em suas 320 e poucas páginas e que valem muito a pena serem lidas, seja para conhecer a trajetória do mito enquanto homem como para ter uma visão mais crítica do homem David Bowie.

Previous Diretor de 'Hoje Eu Quero Voltar Sozinho' cita avanço, mas lamenta demora para amor gay ser mostrado
Next Migos, migas, migues, azamiga e os amigos gays!

1 Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *