A vida dos Elfos, Muriel Barbery


A vida dos Elfos, de Muriel Barbery é o terceiro romance da autora francesa e foi lançado em novembro passado pela Companhia das Letras no Brasil.

Em seu novo romance, Muriel desenvolve uma fantasia sobre uma Guerra que está para acontecer entre duas facções Élficas e que envolvem diretamente o mundo dos humanos. Assim, acompanhamos a vida de duas meninas que não se conhecem, são órfãs e criadas em vilarejos distantes, a fim de serem mantidas em segurança até que pudessem exercer o papel a elas destinado nesse grande evento.

Estante2Assim como em seus outros dois romances, A morte do gourmet e A elegância do ouriço, em A vida dos Elfos também percebe-se a influência da filosofia japonesa, da perspectiva artística que ela injeta na construção harmônica dos elementos e imagens da narrativa. Tanto que este é um romance bem imagético, seja pelas visões da menina Maria que conversa com animais e árvores e é capaz de ler o coração dos humanos ou pela música de Clara que conta histórias e sentimentos.

É uma história bastante interessante e é certo como se insere na mesma tradição a qual principalmente Tolkien instituiu (como fizeram questão de enfatizar nos releases sobre o livro), e não é só por trazer como tema criaturas como Elfos, como pela maneira como a imagem e a atenção aos detalhes são construídas.

Mas, no que se refere ao outros trabalhos de Muriel, ele não se torna o meu preferido. Sinto que faltou algo que eu considerava bastante essencial em sua escrita, o tom meio irônico, o humor e os jogos que existem em seus outros romances.

Contudo, esse incômodo não deve ser levado como considerar que este novo romance é ruim, muito pelo contrário, é evidenciar que a autora não só tenta explorar outro caminho, no caso a fantasia, como trabalhar um novo estilo de escrita, fazendo o muito bem, já que leva o seu leitor a conhecer uma outra autora que já conhecia.

O estranhamento nesse caso é bastante compreensível e outros autores, como J. K. Rowling experimentaram isso. No caso desta, foi com Morte Súbita e com O Chamado do Cuco.

Em Muriel vemos essa busca do novo, do ‘desacomodamento’ que dá fôlego a sua criação, mas que é mantida sobre uma base sólida de estilo e composição filosófico e artístico, que está presente em todos os seus três romances.

A vida dos Elfos, vai ter uma continuação e não tem data de publicação ainda.

#ESTANTE, era pra ser uma sexta sim e outra não, mas a Literatura não aceita mordaças, ela exige reflexão e discussão, ser comentada, em qualquer hora e em qualquer lugar.

Previous Folia da bicharada
Next "Antropofagia" não é bagunça

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *