50 mentiras que contava para mim quando estava no armário!


Não é engraçado que apenas a homossexualidade precise ser assumida? Quer dizer, na verdade isso não tem graça nenhuma, mas é a realidade. Ninguém precisa se assumir hétero, canhoto ou médico. As pessoas ficam livres para apenas ser, sem a cobrança eterna para admitir algo que não necessariamente estavam tentando – ou sequer conseguiriam – ocultar.

DandoPintaSloganÉ uma espécie de “batismo gay”. O grande rito de passagem que nos anuncia para o mundo. As portas do armário são apenas de saída, porque “não existe ex-viado” e a construção da masculinidade não admite a fluidez sexual. Mesmo quando o tal armário é “de vidro” e todo mundo “já suspeitava”, existe uma expectativa social de que o indivíduo se proclame homossexual, como se essa identidade tão inescapável só se confirmasse através da autodeclaração. E isso é um tanto quanto contraditório…

A grande “marca” da homossexualidade é a exclusão. Ser gay é fabuloso, mas até o que existe de bom nessa experiência só é singularizado porque há uma classificação discriminatória que nos considera “diferentes”. Essa “diferença” é em relação a um modelo normativo – no caso, o heterossexual – e é produzida pela própria diferenciação, uma vez que a maneira como somos rotulados afeta a maneira como seremos percebidos e tratados pela sociedade. Assim, somos gays porque somos chamados de gays. Por que “os outros” dizem que coisas que fazemos ou de que gostamos são “coisas de gay”, como se existisse uma tabela de pontos a marcar e ver se realmente nos encaixamos nesse termo.

É claro que ser um “homem que faz sexo com homem” é uma parte importante disso, mas não é o suficiente para decretar que um indivíduo assuma – com toda a dor e com toda a delícia – a identidade gay. A relação de poder entre hétero e homo, bom e ruim, modelo e desvio, necessita que esse rótulo SEJA o indivíduo, como se a sexualidade fosse a marca essencial de qualquer pessoa. E como isso cria situações angustiantes ou angustiantemente ridículas, hoje listarei 50 mentiras que contava para mim mesmo quando ainda estava no armário.

Você se dizia as mesmas coisas ou era mais criativo?

1. É só uma fase.

2. É culpa dos hormônios.

3. Quando eu crescer, vai passar.

4. A homossexualidade é uma coisa errada.

5. É uma escolha.

6. Se eu rezar muito, Deus vai me consertar.

7. Tem conserto.

8. Há algo de errado comigo.

9. Se eu arrasar nos esportes ninguém vai perceber.

10. De repente eu ainda não conheci a garota certa.

11. Ah, eu gosto de seios.

12. Mas eu tenho namorada!

13. Se eu ficar com muitas meninas, isso passa.

14. Vou assumir aos 16.

15. Vou assumir quando acabar a escola.

16. Vou assumir aos 18.

17. Se eu parar de pensar em garotos, ela vai passar.

18. Gays são infelizes.

19. A causa é trauma de infância.

20. Minha infância foi perfeita então não posso ser gay.

21. Todo mundo experimenta.

22. Só preciso tirar isso do meu sistema.

23. Essa é a última vez que eu saio com um cara.

24. Depois de hoje, nunca mais olharei pornô gay novamente.

25. Depois dessa semana, nunca mais olharei pornô gay novamente.

26. A partir de Agosto eu nunca mais olharei pornô gay novamente.

27. Serei solitário.

28. Nunca vou encontrar amor.

29. Serei mais feliz no armário.

30. Sentirei falta da alegria de me casar na igreja.

31. Meus pais ficarão desapontados.

32. Meus pais perderão a alegria de me ver casando.

33. Não poderei ter filhos ou uma família.

34. Posso casar com uma mulher.

35. Só terei uns casinhos com caras.

36. As pessoas não vão me aceitar.

37. Ninguém precisa saber da minha sexualidade.

38. Todo mundo já sabe.

39. Estou apenas conectado ao meu lado feminino.

40. Não pareço nada com a bichinha da novela.

41. Sou só metrossexual.

42. Sou bissexual.

43. Não sou gay.

44. Só como.

45. Estava bêbado/ chapado.

46. Nunca curti Spice Girls.

47. Vou esperar minha avó morrer, aí eu conto.

48. Ele é apenas meu amigo.

49. Koeh, blz, fmz, sou discreto e no sigilo.

50. Topo tudo, só não curto dar.

Ui! Ainda bem que meus dias em Nárnia são coisa do século passado! Esse post é uma brincadeira, claro, mas infelizmente ainda há muitas pessoas que se sentem pressionadas a esconder sua verdade por causa do preconceito. De novo, é um paradoxo, porque a sociedade que exige que nos identifiquemos como gays é a mesma que diz que isso é reprovável, fazendo com que um simples dado da vida de alguém seja tratado como um segredo a ser descoberto, um crime de que se desconfia ou um defeito a ser admitido.

É triste, porque muitas vezes a maior mentira é a que diz que tudo vai melhorar ou que nossas famílias jamais nos virariam as costas. Como sabemos, o ódio nunca se esconde. Ele vive em um closet de portas escancaradas.

Permita-se. Seja livre. Seja fabuloso.

Leia Dando Pinta todas as quartas, aqui em Os Entendidos, e não esqueça de curtir a nossa página.

Previous Solteiro Sofre Demais, Bruno Godoi
Next RPM - 30 anos de "Revoluções Por Minuto"

1 Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *