Pode sapatão, pode viado, e a Bíblia que vá se PODER!


Pode sapatão, pode viado, pode trans, pode bi, pode pan, pode pé, pode mão, pode pó, pode fumo, pode pedra, pode pôr, pode tirar, pode casar, pode namorar, pode separar, juntar, agregar, problematizar, desconstruir, debater, pode morder, beijar, pode foder, pode comer, pode cuspir ou engolir, pode tudo! Só não pode botar na Bíblia, que aí já é demais! Afinal, na Bíblia dos outros é refresco…

DandoPintaSloganO mimimi é conhecido: desrespeito, ridículo, precisam respeitar para ser respeitados, pouca vergonha, isso é ofensa, fico triste, etc… Tudo que mexe com religião ou com símbolos religiosos passa pelo mesmo julgamento, sempre com a condenação pronta. Agora eu pergunto, se a religião é usada politicamente, porque seus signos não podem ser alvo de protesto? O “sagrado” está mesmo acima do bem e do mal? Para quem? Privilégio, a gente vê por aqui!

A imagem polêmica: Jesus, jogue álcool gel em meus olhos!
A imagem polêmica: Jesus, jogue álcool gel em meus olhos!

The book is on the table. É só um livro – muito do ruim, diga-se de passagem – rabiscado. Tem gente que acredita que ele é a palavra santa de um Deus único, traduzida em mil textos incoerentes por profetas mágicos para colocar ordem na humanidade? É, tem. Ele é usado como instrumento de manipulação ideológica para defender os interesses de organizações criminosas milenares, e para enriquecer toda sorte de charlatão? Sim, também. E ainda serve de justificativa para guerras e para separar famílias, já que a lógica é a do “ame a todos, pero no mucho“, uma vez que aquilo que o livro chama de pecado deve ser rejeitado.

Mas no fim das contas é só um livro rabiscado.

A imagem incomoda e o objetivo é esse, porque esse livro tem valor simbólico – e político – para muita gente. A pessoa que escreveu sobre suas páginas pode até ter sentido um grande alívio, mas o gesto só ganhou força e relevância porque foi fotografado e divulgado nas redes sociais. É propaganda. É iconoclastia. E que funciona maravilhosamente.

A foto foi reproduzida e debatida à exaustão, e graças às denúncias, o Facebook está bloqueando os perfis de usuários que a postam. Publicar fotos de crianças esquálidas passando fome, de autópsias, de animais pegando fogo, de mulheres sendo exploradas sexualmente ou de gente brigando tá liberado, mas a foto de um LIVRO RABISCADO não pode, é passar dos limites!

Ninguém subiu aos céus para pegar Jesus e Maria pelo pescoço e fotografá-los em posições humilhantes. É apenas um livro, um objeto, que qualquer pessoa pode comprar em uma loja e rasgar, queimar, rabiscar, etc. Não é incrível que a sensibilidade de algo supostamente tão forte – como as religiões judaico-cristãs ou, digamos, a masculinidade – seja abalada por uma simples fotinho? Aliás, o simples fato de algo assim ser considerado ofensivo já expõe o ridículo dessas filosofias, sem falar na falta de semancol de quem tantas vezes incita o ódio ao diferente.

O debate é necessário e o protesto cumpriu o seu papel. Este e outros textos estão discutindo a imagem e assim a “guerra de opiniões” nas redes sociais ganhou munição para mais alguns dias, o que é ótimo. Para além da conversa sobre o respeito, está se debatendo a liberdade individual e a sexualidade, além do papel das religiões e seu poder de influência. E tendo em vista o panorama político e social do nosso país nos últimos 20 anos, acho que qualquer pessoa – seja crente, seja gay ou até mesmo uma bicha crente – vai concordar que o assunto é importante.

Indecente e desrespeitoso é que símbolos sejam usados para calar as pessoas, muitas vezes para sempre. É uma vergonha que a mitologia cristã sirva como mecanismo de manipulação ideológica, que sirva para justificar ódio e violência ou para interferir em leis. Inclusive, é uma deturpação de suas próprias filosofias. E embora Deus exista apenas por causa da crença dos homens, certamente que não gostaria de reproduzir seus preconceitos.

Alguns protestos podem parecer pouco diplomáticos ou não ser tão eficientes. Alguns, podem ser considerados de mau gosto ou desrespeitosos. Entretanto, todos representam o grito e a dor de alguém que faz uma denúncia. E se ela é justa ou não, não é um livro velho que vai dizer.

O protesto é um direito. Já enfiar uma Bíblia no rabo dos outros… NÃO PODE!

Permita-se. Seja livre. Seja fabuloso.

Leia Dando Pinta toda quarta, aqui em Os Entendidos. Não esqueça de curtir a nossa página.

Previous Do que é feita uma garota, Caitlin Moran
Next O Espelho de Cassandra, Bernard Werber

2 Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *