Eu te amo do jeito que você é (só não mude, ok)


Uma das grandes paixões que tenho é cabelo. Já cortei o meu de muitas maneiras, o usei de várias cores (inclusive cores fantasia) e faço parte de uma série de grupos sobre o assunto. Não é incomum ver nesses grupos um monte de mulheres dizendo como gostariam de mudar sua aparência física, mas não o fazem porque o namorado não gosta/não deixa. E que por isso elas mantêm os cabelos do jeito que estão (geralmente bem compridos, porque é assim que os namorados gostam).

Algumas mulheres chegam a argumentar: “meu namorado AMA cabelo curto! Tanto que cortei o meu e ele amou! Não deixo mais crescer”. Ora moça, você não é muito diferente da moça que deixa o cabelo longo para agradar o namorado. O problema não é deixar o cabelo longo ou curto, preto ou roxo, mas fazer porque OUTRA pessoa acha que você fica melhor assim ou é assim que essa outra pessoa te prefere. O problema é deixar de fazer algo que você quer para não desagradar o parceiro.

Não é incomum ver os caras dizendo que “nossa, você fica linda sem maquiagem, devia sair de cara limpa mais vezes”. Olha rapaz, eu não gasto dinheiro em maquiagem para ouvir isso. Aliás, isso pra mim não é elogio. É simplesmente querer ditar suas regras sobre um comportamento meu e que eu adoro.

Já vi várias mulheres dizendo que não usam tanta maquiagem quanto gostariam porque o namorado prefere ela assim, ao natural. Eles sempre tem uma desculpa: batom suja roupa, gloss é melequento e nojento, esse olho preto te deixa mais velha… As justificativas são várias. Mas a que geralmente mais se usa é: EU ACHO QUE VOCÊ FICA MAIS BONITA ASSIM (então faça do jeito que me deixa feliz).

A mesma coisa vale para as roupas/acessórios que vestimos. Eles sempre se acham no direito a fazer valer a sua opinião. “Não gosto quando você usa saia/vestido/calça/short porque *insira qualquer justificativa aqui*, acho que você fica mais bonita de outro jeito”. O mesmo acontece com nossos esmaltes, tamanho d e nossas unhas e qualquer outra forma de nos expressarmos através da aparência física.

Essa necessidade de agradar ao parceiro, de se tornar exatamente o que o outro idealiza em sua cabecinha, pode levar a problemas emocionais. E você pode dizer que estou exagerando, é só um cabelo, uma roupa, uma unha. Não é importante. E é onde eu digo a você: se faz parte de quem você é, do repertório de coisas que te faz bem e você abre mão por qualquer outra pessoa, é problema sim! Principalmente se o comportamento de abrir mão de coisas que são importantes para si começa a se expandir para outras áreas do relacionamento. E em vez de fazer aquilo que lhe faz feliz, se faz aquilo que acha que vai deixar o outro satisfeito, mesmo que isso nos desagrade. Quando, ao longo da relação, essas pequenas frustrações vão acumulando chega o momento em que esse tipo de situação se torna insuportável. É uma questão de limites. Ou da falta deles.

Uma vez que a pessoa percebe que se ela tiver um comportamento específico com você (elogiar ou ficar de cara feia por exemplo) e que isso faz com que você faça aquilo que ela gostaria que você fizesse, pronto. A tendência é ela repetir aquilo para obter tudo o que ela espera de você. É por isso que crianças fazem pirraça quando querem bala. E quando elas ganham bala depois da pirraça, a probabilidade da pirraça acontecer de novo aumenta. Se a pessoa diz que não gosta da sua roupa, cabelo, ou qualquer outra coisa, faz uma cara feia e você muda, toda vez que ela ficar desagradada ela provavelmente repetirá essa postura. E se você continuar fazendo o que ela quer, a tendência é só aumentar. E sim, todo mundo faz isso. A diferença é que nem sempre a outra parte responde como esperado. Como as mães que não cedem e dão a bala não quando tem pirraça, mas quando a criança se comporta bem.

Toda vez que escuto aquela música “love just the way you are” [te amo assim do jeito que você é] do Barry White, penso exatamente nessas questões. Ele diz nos versos: “não mude a cor do seu cabelo, não tente nada novo, eu preciso que você seja aquela mesma de sempre.” Oras, ele ama a mulher que está com ele ou a ideia que ele tem dela? E que tipo de pessoa espera que numa relação de anos a pessoa ao lado seja EXATAMENTE a mesma do começo da relação? O objetivo de nos relacionarmos com alguém não é também crescer, aprender e evoluir?

As pessoas podem ter opiniões a respeito do jeito como você usa seu cabelo, maquiagem, corpo ou qualquer coisa. Não há como impedir isso, afinal, todo mundo tem um gosto particular. Mas se basear nas opiniões alheias para viver sua vida, se guiar pelo que acham melhor para você, mesmo que isso te desagrade, é um caminho certo para frustração, ansiedade e depressão. Afinal, a vida e o corpo são de quem?!

Previous Vamos falar de transfeminismo?
Next Um brinde à bicha machista!

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *