Encalhada?


Encalhada. Fulana está encalhada. Eu estou encalhada.

Quantas vezes já se ouviu/disse essa expressão? Lembro bem de um dia que estava no trem (observo muito as pessoas por lá) e ouvi uma menina de 22 anos reclamando que estava encalhada e que era a única das amigas nessa situação. E pior, já se condenando a uma vida inteira sozinha e sem ninguém enquanto todo mundo tinha alguém. Me soou um pouco catastrófico, mas é bem parecido com o discurso que escuto várias vezes no consultório. E a expressão encalhada está sempre ali, geralmente acompanhada de vários sentimentos desagradáveis.

Acho interessante como as pessoas usam essa expressão, “estar encalhada”, quando se referem a alguém solteira. Não importa se por opção, falta de , não importa exatamente a vontade do sujeito. Se está sozinha, especialmente por mais de um ano, está encalhada. E já repararam como geralmente se usa essa expressão para as mulheres? Já vi várias imagens de “zoeira” pedindo para que marquem “aquela sua amiga encalhada”. Engraçado é que raramente se usa essa expressão com os homens. Salvo contextos específicos. Mas você não vê pessoas criando memes para zoar os homens encalhados. Aliás, ao que parece, homem não encalha. Só a mulher.

Pare para pensar: aquele seu amigo solteiro, há anos, que só tem pegações esporádicas, parece estar bem com isso (mesmo que eventualmente se interesse ou sinta falta de um relacionamento mais sério), você pensa nele como encalhado? Agora, troque o seu amigo por uma amiga e me diga quantas vezes, mesmo que de brincadeira, já usou essa expressão com ela?

Tenho uma imaginação bem fértil e sempre que alguém usa essa expressão, as primeiras imagens que vem a minha cabeça são a de uma baleia perdida nas praias do nordeste. Depois fico imaginando a pessoa presa num monte de areia, dependendo de que a hidratem, a empurrem, tentem de alguma forma salvá-la. Ou seja, a pessoa está ali, imobilizada, passivamente esperando ser desencalhada, ser liberta e assim poder voltar a nadar por aí.

Oras, isso nada mais é que a síndrome de princesa que necessita ser salva. E nós sabemos que as princesas são salvas por seus belos príncipes em seus cavalos brancos. Como se a vida inteira girasse ao redor desse momento, como se nenhuma outra conquista fosse mais importante do que arrumar um namorado. Como estar num relacionamento fosse magicamente resolver todo e qualquer outro problema que exista em sua vida. Mas, a vida não é conto de fadas e a história não termina com o grande e lindo casamento.

Nós somos muito mais do que namoradas de alguém. Ao menos, deveríamos. Somos profissionais, somos amigas, filhas, vizinhas, tias, donas da casa, entre outros tantos papéis que escolhemos exercer. Inclusive, podemos exercer o direito de escolha em não ser namorada de alguém. Ou de ser.  Como já falei antes, se prender somente ao papel de namorada e esquecer dos outros, pode causar uma relação de dependência e levar à relações muito mais frustrantes do que recompensadoras. 

Faça uma pesquisa rápida de imagens com a palavra encalhado e a maioria das imagens são de barcos encalhados em uma praia. Agora experimente a mesma busca com o feminino da palavra. Viu? Diversos memes “zoando” mulheres solteiras. O que faz com que a pressão para desencalhar seja maior para homens do que para mulheres? O que faz com que um cara que opta apenas por relações casuais não receba o rótulo de encalhado, enquanto as mulheres na mesma situação o recebem?

Embora haja uma cobrança social para que as pessoas se adequem ao modelo tradicional de família, casem, tenham filhos e todo o pacote, para a mulher, essa pressão começa muito mais cedo. Um cara de 30 anos solteiro é visto de forma diferente de uma mulher de 30 anos solteira. Ele tá curtindo a vida; ela tá esperando o homem perfeito e vai acabar sozinha, já que está cada dia perdendo sua juventude (e na nossa cultura, a beleza). Culturalmente, estar sozinho tem significados bem diferentes para homens e mulheres.

Dizer que todas as pessoas sofrem com isso seria muita generalização da minha parte e não sou a favor de generalizar dessa forma. Mas não podemos negar que essas construções culturais acabam muitas vezes contribuindo de forma significativa no sofrimento do indivíduo. Sem falar que é mais um exemplo de como o feminino é construído de forma diferente do masculino, já que se relacionar é algo inerente ao ser humano, independente do sexo biológico que ele tenha. E também um exemplo de como as expectativas sociais podem ser muito mais cruéis com mulheres.

Querem que acreditemos que nossa vida vai mudar e ser melhor quando o amor acontecer. Mas olha, por experiência de vida e de profissão, nem sempre é assim. Amor não é mágico. Amor não te liberta, não desfaz todas as amarras que você tem ou imagina ter. Você é quem carrega a chave para isso. Você é quem pode se libertar.

Próxima vez que alguém lhe disser que você está encalhada, pergunte se você se parece com uma Jubarte ou se parece ter areia te cercando. Então, diga educadamente, ou grosseiramente mesmo: não estou presa a nada e vou para onde quiser! Isso está longe de ser encalhada, meu querido.

Previous Atentado violento ao humor?
Next O horror do pinto pequeno...

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *