Brendan Jordan: A diva que você quer copiar!


Ele fez carão, deu o close e fechou o tempo! Durante a cobertura da inauguração de um shopping em Las Vegas, todas as atenções se voltaram para um menino que não desperdiçou o espaço atrás da repórter com gritos e tchauzinhos: mostrou seu melhor ângulo e ainda jogou muito shade, como uma verdadeira DIVA!

O vídeo é a sensação no meio LGBT, como afirmação de que nascemos fabulosos assim, e no Brasil virou assunto durante o dia das crianças. Aparentemente, a graça é marcar aquele amiguinho pintosa, perguntar se é ele e rir da desenvoltura do rapaz.

Felizmente, o tom geral é de aprovação. É claro que algumas pessoas vão torcer o nariz, mas a viralização do vídeo é indicativo de um fenômeno cultural do meio LGBT, que as redes sociais estão alimentando: a valorização da “pinta”.

Esqueça o mimimi de que “discretos e machinhos estão sendo perseguidos”, pois a questão aqui é celebrar quem não se deixa oprimir pela norma. Querendo ou não, a postura positiva do menino em relação à sua feminilidade – lembrando que esse conceito é dispensável, já que é a cultura que separa coisas e comportamentos em masculino/feminino – é libertadora. Graças a ele e tantos outros que não se envergonham e principalmente, não se deixam envergonhar, outros poderão entender que merecem respeito por serem quem são, sem julgamentos.

diva

Mas quem é esse lindo? Brendan Jordan é o nome dele, que é – de fato – “a diva que eu quero copiar”. Aos 15 anos, ele parece ter dado conta de todas as neuras e resolvido toda a homofobia internalizada que ainda persegue os jovens LGBT de outras gerações.

Sobre o momento de fama, ele declara:

“Eu vi uma câmera, e fiz o que quis. Me imaginei a Lady Gaga, como se ninguém pudesse me destruir, mas me sinto o mesmo garoto de antes. O mais importante é continuar humilde. Eu idolatro Gaga como uma deusa, nunca tentaria competir com ela.”

PAWS UP! Com tanta fabulosidade, só posso esperar, sinceramente, que seu exemplo se multiplique.

Você pode seguir o Brendan no twitter @jordvnhaus ou no Instagram.

Previous A criança lésbica de Cassandra Rios
Next As regras do Jogo

5 Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *