Nada é mais triste que um gay de Direita…


Nada é mais triste do que um gay de direita, que escolhe passar a vida em um armário de cristal por julgá-lo à prova de lâmpadadas balas. Em uma ânsia por inclusão, compromete tudo. É “discreto e fora do meio”, não em um exercício de liberdade individual, mas em um delírio de aceitação pela invisibilidade. Clama por “direitos humanos para humanos direitos”, e ainda ousa gritar que bichas e viados merecem os castigos que recebem por “não se darem ao respeito”. É isso que significa ser “direito”? Que vergonha…

DandoPintaSloganApanhou pouco, viado? Porque se nunca apanhou, pelo menos já foi chamado de VIADO, assim bem grande, por “dar pinta” ou para aprender o que NÃO ser. Eu sei que dói, mas reproduzir isso não é a solução. Somos todos viados e sempre seremos, porque a validação heterossexual precisa dessa oposição. A “norma”, a “moral, o “certo” e a “família” precisam de demônios a combater. É por isso que somos transformados em “pedófilos degenerados” e “guerrilheiros comunistas prontos para o golpe”. É preciso instalar medo porque ele cega, emburrece.

Mas o gay de direita não é burro, é triste. É o oprimido tirando onda de opressor. Chega a dar pena. A esquerda investe na utopia, e trata o governo como o filho malcriado que adora brigar, mas morre de medo quando o pai fica doente.  Agora o medo está mais concreto, mas pelo menos isso servirá para que os sonhos fiquem um pouco mais realistas. Aos gays de direita, só resta o medo mesmo.

Esse medo é o da perda de privilégios e do fim do sistema. É o medo de que sejamos vistos como uma coisa só, sob a ótica negativa de um estereótipo explorado à exaustão, baseado em preconceitos machistas e na obsessão pelo patrulhamento sexual. São medos inúteis, já que qualquer privilégio se perdeu com o primeiro homem. Um gay de direita pode ser todo mauricinho, branquinho, limpinho, monogâmico, o caralho: porém, querendo ou não, é a “vergonha da família” por gostar de outro macho. O mimimi é livre.

O movimento gay é underground. Não importa quanto o sistema capitalista nos inclua, antevendo os lucros fabulosos do Pink Money. Seguimos e seguiremos marginais. Casamento, filhos, impostos, igrejas inclusivas… Tudo isso está ao alcance do gay que puder pagar e principalmente se manter “na linha” para gozar dessas benesses, mas o riso de escárnio de quem é “normal” virá sempre de brinde.

Ah, estou sendo intolerante com os pobres rapazes machinhos que só desejam seguir suas vidas sem nunca serem igualados a uma travesti? De forma alguma! Acho lindo que sejamos livres para escolher um caminho. O que me entristece profundamente é que muitos se escondam em “forminhas sociais”, criando máscaras de respeitabilidade para atirar os outros à fogueira. Será possível que milhares de mortes, ataques, xingamentos e dificuldades que sofremos não significam nada? Isso tudo realmente lhes parece justo e merecido porque, sei lá, um garoto resolveu andar de salto ou usar uma calça mais justa?

Está na hora da comunidade LGBT – dentro e fora do armário – abandonar o complexo de inferioridade e se articular politicamente. A obsessão por não parecer gay está nos separando e custando inúmeras vidas. Nenhuma urna vai te chamar de viado, mas muitos candidatos eleitos no último domingo irão. Eles nos usarão como bala de canhão e cortina de fumaça, citando a “destruição da família tradicional”, para esconder crimes e paralisar demandas sérias. Essa é a cara da direita, sem capacidade de empatia, pronta a se colocar acima do bem e do mal, em atitude “cristã” de apontar qual ser humano é melhor ou pior.

Enquanto isso, vamos morrendo…

Nada é mais triste que um gay de Direita, que só serve para dar voz aos seus algozes. Seria lindo se pudéssemos escapar eternamente em compras, boates e aplicativos caça-homem, não fosse a ameaça constante da homofobia. Não dá para correr. Precisamos nos unir e tomar rumo, já que mais uma vez o conservadorismo – que é tendência mundial e não uma exclusividade gay, admito – se fortalece.

A Direita é contra a liberdade e por isso nos despreza. Ser gay é uma oportunidade de ser diferente, de personificar a riqueza da diversidade humana – inclusive suas contradições – e isso é maravilhoso, mas o direito de se odiar é muito deprimente. É válido, claro. Entretanto,  é triste, muito triste…

Leia Dando Pinta todas as quartas aqui em Os Entendidos. Não esqueça de curtir a nossa página.

P.S: Na semana que vem PROMETO parar de escrever sobre esse tipo de coisa. Vamos falar de sexo ou de qualquer coisa engraçada? Essas eleições deixaram tudo muito pesado…

Previous Maioria nanica
Next No Ebola dos outros é refresco

10 Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *