HIV, crime e castigo…


Ela explodiu nos anos 80 e automaticamente se tornou parte da cultura gay. Apesar de tudo, ajudou a unir a comunidade e fez ecoar a nossa voz, ao nos dar uma cara e mostrar que nossas lutas também importavam para o mainstream. Afetou o mundo, inclusive da arte, e nesses 30 anos nos fez questionar nossa relação social com o prazer e o sexo. Não, não estou falando da Madonna e sim da AIDS!

DandoPintaSloganO dia 1 de dezembro foi internacionalmente instituído como o Dia Mundial de Combate à AIDS, e seria quando eu planejava falar sobre isso pela primeira vez aqui na coluna se não fosse o comentário moralista de um leitor… Em julho postei uma lista engraçadinha de 24 experiências sexuais que todo gay deveria ter. Era dia do orgasmo e, como é natural, teve gente que achou muito gozado. Já alguns não viram graça e um rapaz comentou que faltava um item na lista, que seria “pegar AIDS fazendo tudo isso”. Tipo, say whaaaat?

Então, quer dizer que ao fazer sexo grupal ou fisting, a pessoa necessariamente pegará AIDS? E o pior, quem se aventura a fazer essas coisas MERECE pegar uma doença? Como assim, gente?! Esse moralismo nunca é surpresa, mas ó, fica a dica bombástica: o vírus não está preocupado com a sua opinião!

Infelizmente, dos anos 90 para cá, cresceram as infecções por HIV entre jovens homossexuais. Graças aos avanços no tratamento da doença e na melhoria da qualidade de vida dos portadores, a AIDS deixou de ser uma assustadora sentença de morte e se tornou uma doença crônica, mais fácil de lidar do que o diabetes, por exemplo. Como parte do estigma da doença diminuiu, ajudando ainda mais na falsa percepção de que ela não é tão perigosa assim, nós relaxamos. Falta à nossa geração a experiência de enterrar um amigo por semana, sempre com o terror de que você ou o amor da sua vida seriam as próximas vítimas de algo que ninguém entendia direito, e que matava em poucos meses. Além do mais, a homofobia social ainda faz com que os jovens, especialmente nas áreas mais carentes, evitem o uso de preservativo e “todo esse assunto de viado”.

Existem pessoas que se infectam por causa de escolhas sexuais irresponsáveis? Claro! Entretanto não justifica dizermos “bem feito, você procurou”. Todo mundo sabe que o meio mais eficaz de evitar essa e outras DST, além da gravidez, é usar camisinha. Se há pessoas que escolhem não fazer isso ou até que desejam ser infectadas, isso é problema delas, pois são adultas e sabem de si. Não é possível, para nós homossexuais, mantermos o discurso de “peste gay” como se nossa sexualidade fosse de fato condenável, sendo merecedora de uma punição tão severa. O vírus não quer saber se você é homo, bi, pan, homem, mulher… Ele não foi programado para castigar os libertinos e poupar apenas os “puros de coração”. É possível se infectar em sua primeira vez ou com o amor da sua vida ou com um padre, basta que não haja proteção. Da mesma forma, é possível ser “o prato principal” de uma orgia com 50 caras e sair perfeitamente ileso, se tiver usado preservativo.

Mesmo com os recentes avanços, a doença ainda está longe da cura. Quando for alcançada, ela chegará primeiro aos que puderem pagar alto e muito depois à população geral. Talvez um dia a AIDS seja erradicada, mas ainda não é possível. Os níveis de contaminação ainda são altos entre a comunidade gay, e esse é mais um motivo para que abracemos essa herança cultural e sejamos solidários com nossos irmãos. O medo vem da ignorância, mas basta um busca simples no Google para se informar sobre a doença.

A AIDS não é uma exclusividade gay, mas é parte da nossa história, então tenha mais compaixão com o próximo. A única forma 100% segura de evitar a infecção é a abstinência – algo que muito poucos estão dispostos a praticar – de maneira que não há como saber se nas voltas que o mundo dá você não se verá envolvido em algum caso. Pode ser ou com você ou com um ente querido, e caso aconteça, é preciso buscar informação e oferecer apoio, ao invés de vir com um papo inútil e moralista de “também, dava pra todo mundo, tinha que acabar assim”. Sexo não é crime e nem HIV é castigo.

Proteja-se. Seja consciente. Isso é fabuloso também.

Leia Dando Pinta todas as quartas, aqui em Os Entendidos, e não esqueça de curtir a nossa página.

Previous 37 regras de conversação para cavalheiros de 1875
Next 50 regrinhas de etiqueta gay!

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *